segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Patrimónios de pó



Primeiro abre-se a porta
por dentro sobre a tela imatura onde previamente
se escreveram palavras antigas: o cão, o jardim impresente,
a mãe para sempre morta.

Manuel António Pina, Como se desenha uma casa (1.ª estrofe)






O poema agrega o cinzento cimento,
para coerência da edificação,
e desagrega o fissurado da unidade,
lobo a lobo,
em alçados de ortogonal construção,
cartografados em pontos cardeais:
frontal parietal temporal occipital.

Nas quatro fundacionais paredes
o passado ruína rumina presente,
inspira expira gemidos ruídos
orgânicos de motibilidade biológica
previamente inscrita, 
escrita na torrente do límbico 
exercício concreto do abstracto.

Ouro imaterial nasce na memória
preservada pela dura-mater,
- patine amadurada do tempo -
no miolo da urbe, no miolo da gente.
E no meio a mesa, cadeiras em volta, 
onde o branco vazio da folha espera
o jorrar inapagável da tinta luminescente. 

Molécula a molécula a construção
do fraseado destinado do destino respira. 
O bafo húmido corre poro a poro o fílme:
a matéria que renasce enquanto morre  
na pedra no tijolo no grão de areia,
é património vivo da gente, guardado em pó. 
No miolo está pura a eterna poesia.


hajota

15 comentários:

  1. "O branco vazio da folha" espera que o poema se agregue e desagregue, que respire, que seja ofício ou "escrita na torrente" da linguagem, até ser algo de imaterial, até ter "a pureza eterna da poesia"...
    Um poema muito denso e intenso, meu Amigo Agostinho.
    Tudo de bom para si.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Muito bom este seu poema. Amei!! Obrigada pela sua partilha connosco!

    Deambulando em teus bens...
    Beijos e um excelente dia!

    ResponderEliminar
  3. Sempre que aqui passo fico deliciado com a imaginação do Agostinho.
    Aquele abraço!

    ResponderEliminar
  4. Só a Poesia não ficará reduzida a pó!
    Ela vive latente na alma e no coração de quem a vive,
    como o cerne da própria Vida.
    O que gosto de o ler, Agostinho...

    Um abraço forte!

    ResponderEliminar
  5. OI AGOSTINHO!
    O POETA SE TORNA PÓ, MAS SUA CRIA, A POESIA, SE PERPETUARÁ.
    ACHEI LINDO.
    ABRÇS
    https://zilanicelia.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  6. As palavras afasta-se o pó que se acumula e a poesia desenha-se novamente nas memórias... Respira connosco...
    Obrigada pela partilha do poema de Manuel António Pina (gosto muito).
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  7. um verdadeiro "alquimista da Palavra", caro Agostinho!

    leio e releio o teu belo Poema e lanço-me na descoberta
    dos seus horizontes, balbuciando a cada passo a sua expressividade
    para logo me perder na sua profundidade e nas veredas de meu próprio
    caminhar...

    e, no entanto, a luminosidade do poema, prende-me sem remissão,
    na sua beleza formal a na autenticidade do teu universo poético

    forte abraço



    ResponderEliminar
  8. Meu caro Agostinhamigo

    Cada vez que te leio fico a ruminar as palavras, as frases, as estrofes, os conceitos, tudo, ainda que não o não mereças porque não me ligas patavina😢

    És um génio da Poesia, onde pões um verso pões inspiração sem peias , sem entraves, à rédea solta, cavalgando a vida, destelhando o ser, desagregando o infinito. Tu és o imaterial desmaterializado, o ecrã sem tela, o quadro sem moldura sem tintas sem pincéis mas com arco-iris num mar alto de folha de pauta. És incrível e inultrapassável. És tudo e és nada. Ponto final. Parágrafo.

    Um abração deste teu amigo e admirador
    Henrique, o Leãozão

    Já está publicado na Nossa Travessa mais um episódio da saga VIVER COM UM IRMÃO PORTADOR DA SÍNDROME DE DOWN que desta feita leva o título de O Super Frederico, Nele o nosso herói desdobra-se em actividades diversas face a mais uma situação muito difícil: a irmão dele Leonor caiu na teia demoníaca da droga, E ele, sozinho, vai resolvendo a par e passo os múltiplos problemas que tem pela frente!

    ResponderEliminar
  9. Até o que achamos que nunca vai virar pó,
    de uma hora para outra desaparece.
    Sempre com poemas interessantes.
    Boa entrada de mês de outubro.

    ResponderEliminar
  10. Olá, Agostinho, uma folha em branco é prazer, mas dúvidas e desassossego. Mas poetas e escritores em geral, por princípio, arcam com essa carga emocional inicial, depois tudo entra no ‘tranco’ natural, onde se espera ideias e sentimentos que brotam mais facilmente do fundo da alma. O encontro do rumo. E está finda a obra criativa, linda que toca a cada um de nós de uma maneira especial. E quando agrada, a recompensa é plena! Belo poema, gostei muito!
    Um bom fim de semana pra você.
    bjus

    'Ouro imaterial nasce na memória
    preservada pela dura-mater,
    - patine amadurada do tempo -
    no miolo da urbe, no miolo da gente.
    E no meio a mesa, cadeiras em volta,
    onde o branco vazio da folha espera
    o jorrar inapagável da tinta luminescente'.

    ResponderEliminar
  11. A construção poética nunca é fácil.
    E é mesmo o miolo que importa...
    Grande poema, os meus aplausos.
    Caro Agostinho, um bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  12. Bom dia, a palavra é a morte do pensamento, assim, quando as prenunciamos o pó acumulado alivia a alma, o poema é fantástico.
    Boa semana,
    AG

    ResponderEliminar
  13. A beleza simples da vida_ é o miolo Agostinho
    Sempre admirando a forma de expressão traduzida sabiamente,como só os poetas conseguem.
    Meu abraço

    ResponderEliminar
  14. Como eu gosto deste jogo de palavras!
    E como gostei deste poema!
    Quando for grande quero fazer coisas tão belas quanto esta...
    Não sou poetisa, apenas rabisco uns versos de quando em quando. Será por isso que sinto uma invejazinha, tipo "ratinho no estômago" 😊 por não saber escrever assim???

    Bom Fim-de-semana
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
  15. A beleza da poesia está mesmo no miolo...

    Boa semana

    ResponderEliminar