sábado, 1 de fevereiro de 2020

Corpos da guerra e da paz


Que ninguém lhes diga - Olhai como vivem os homens da terra.
Às aves nada temos para lhes ensinar.

Lídia Jorge, O Livro das Tréguas, excerto de Aos Despidos


júlio pomar
~~~

Helena dividida roubada amuralhada
moveu vontades, e o mar de Troia
transbordou barcos nas areias quentes
Os guerreiros romperam rocha, 
e os guardas tombaram 
pela necessidade de morrer

 Mercenários violaram praças
a romper hímens 
na penumbra do temor, 
acicatados pelo suado desejo
dos corpos da guerra e da paz 
Até à exaustão

Todas as epifanias foram resolvidas 
nas vísceras pelos sacerdotes 
Em premonições proclamaram o estado 
da morte a acontecer

O mar recebe e dá aos corpos 
a dimensão que tiveram em vida, 
sem cobrança de dízimo,
e as escarpas aguardam os suicidas
que escolhem a profundidade 
da liberdade

Calcorrearam paralelepípedos sem fim
para encontrar um poiso, 
um vão de escada,
uma enxerga, um bosque 
virgem, um dorso de serra 
onde o perfume do ventre cobiçado, 
liso dourado esvoaça
entre rosmaninhos e murtas 
ao vento

Estrangeiros, na estranheza negra 
dos corvos, os deuses 
não lhes deram linho
nem sequer singelo limbo  


                             hajota

quinta-feira, 16 de janeiro de 2020

Exposição


foto minha



Respira-se
Confia-se
Entrega-se
Diafragma-se
Clique ponto

Fura-se
Aparafusa-se
Dependura-se

Toda a vida
Numa imagem

                                   
              hajota



quarta-feira, 25 de dezembro de 2019

O Natal é hoje




O Natal é hoje, dia 25 de dezembro, mas andam a querer que nos deitemos na manjedoura desde outubro. Um parto assaz prolongado e custoso.
O homem cresceu no Mundo, em todos os sentidos, contudo há numerosa gente com uma dificuldade incrível, será por atavismo, sei lá, em dizer ao seu semelhante Gosto de ti e, mais difícil ainda como escalar o Everest, dizer Eu amo-te! Sinceramente.
A trabalheira que foi Inventar o Natal para ver se os homem descia do seu orgulho, se livrava de preconceitos e, a maioria talvez, em 2º19, fica-se na superficialidade, pelas fórmulas de comunicação, triviais tão gastas que a gente nem sabe já o que significam, pela lavagem do marquetingue comercial. Por exemplo, Santo Natal, Feliz Natal, Festas Felizes, por aí fora…
Por que não dizer e fazer, perdoo-te, dou-te a minha amizade em troca de nada, és tão amigo que tenho de te dizer que o és e agradecer-te, embrulha-me no teu casaco pois tenho frio, gosto de ti, amo-te...
Beijos e abraços de Paz para os amigos que gostam de mim, que me amam.

hajota

segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

Em tempo de plenitude


(regressei da rarefação do éter > oh dois da tal vez > deixei escafandro > sobretudo lanígeo de preguiça) > hajota

-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-

(trecho de)
Marco                              
Estava  sempre  ali, à  espera, quilómetro  52,
entre  um cruzamento e uma rotunda, no único
quilómetro com uma árvore para dar sombra, e
um marco onde se podia sentar,cruzar as pernas
mostrando  as coxas, e  olhar  fixamente  cada
carro que passava." ...

Nuno Júdice, O Coro da Desordem

-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-



foto minha




em tempo de plenitude
arco tangendo cordas tensas
do esterno à vertebral coluna.

outonos maiores no tom,
frutos primícios, morangos
nos outeiros, mãos cheias, e
maresias perfumadas d’algas e sal
no labiríntico tufo perlado. perdido

que disse o silêncio de dentes,
que esgares de chispas se soltaram
em tempo de plenitude?


hajota

sábado, 29 de junho de 2019

Sexta-Feira, querida



O Japão anunciou, no exercício da Presidência do G20, as prioridades a debater no conclave:
        > crescimento económico e redução das desigualdades
        > qualidade das infraestruturas e saúde
        > questões mundiais como as alterações climáticas e os resíduos plásticos nos oceanos
        > economia digital
        > desafios colocados às sociedades em envelhecimento





                                                                 oooooOOOooooo



Vós, que trabalhais só duas horas
a ver trabalhar a cibernética,
que não deixais o átmo a desoras
na gandaia, pois tendes uma ética;

Alexandre O´Neill, 1.ª estrofe de
 "Aos Vindouros, se os Houver..."

oooooOOOooooo






oooooOOOooooo



Osaka inunda por net jornais e têvês
Os Gêzinhos, heróis e profetas de papelão,
brincam com a Terra e com a gente crescente
da ordem divina - Crescei e multiplicai-vos!

E os mágicos pa(i)ram no largo do crescimento
a discutir cotações, futuros, simulacros e arrufos,
sob influência sistémica do cheiro da especulação

É mágico!, é trágico!,  
tanto esforço e aparato para nada
Tanta fartura de fome, tanto brilho de lama!

Assim é, mas hoje,deixa-me virar a página
saltar para outro tempo sem cretinos, 
fraldas descartáveis e política de plástico 

É sexta feira e se bem vestida ficas Sexta-Feira
Ficas mais linda, meu amor, de chinela no pé
De qualquer modo saio contigo, 
mais logo, Sexta-Feira, querida

28jun2019

hajota

quinta-feira, 16 de maio de 2019

Humano Ofício VI

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.

Álvaro de Campos, 
estrofe de abertura de Tabacaria

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

oooooOOOooooo


(imagem minha)

oooooOOOooooo

Imprevisto chega o dia
Vê-se vazio
na pedra do cais sentado
Em terra corre o quente
sangue que doou
O vermelhão nunca lhe faltou
mas sabe o seu destino

Sente o peito cheio de sal
Esquadrinha no horizonte o barco
que o há-de levar
toca-o a melancolia de fim de dia
e a saudade do futuro:
da lâmina de gelo
que cairá da sombra em si

No zénite a luz reduz
a sombra
que cresce até ao fim:
inteira engole a luz
Si compleatur officium
(cumprido é o ofício)


hajota

quinta-feira, 25 de abril de 2019

pichem chamem cravem

Mark Rothko, orange, red, yellow





lavrem lavrem
agora que chove outra vez
semeiem poesia semeiem 
esta noite até à alvorada

anunciem anunciem
na rua e no campo o amor
pichem pichem até mais não
a cor vermelha da paixão

chamem chamem 
a cor todos com ardor
cantem cantem a canção
das quadras da Liberdade

pichem chamem cravem
o chão todo deste país
cravem cravem cravem
o  vermelho sonho - cravos 

levantem levantem
os braços todos e mais alguns
(outra vez) ninguém ninguém
esqueça a flor que fez Abril

Sempre quero ver se o Chico nota 
algum cheirinho a alecrim...


hajota