sábado, 29 de junho de 2019

Sexta-Feira, querida



O Japão anunciou, no exercício da Presidência do G20, as prioridades a debater no conclave:
        > crescimento económico e redução das desigualdades
        > qualidade das infraestruturas e saúde
        > questões mundiais como as alterações climáticas e os resíduos plásticos nos oceanos
        > economia digital
        > desafios colocados às sociedades em envelhecimento





                                                                 oooooOOOooooo



Vós, que trabalhais só duas horas
a ver trabalhar a cibernética,
que não deixais o átmo a desoras
na gandaia, pois tendes uma ética;

Alexandre O´Neill, 1.ª estrofe de
 "Aos Vindouros, se os Houver..."

oooooOOOooooo






oooooOOOooooo



Osaka inunda por net jornais e têvês
Os Gêzinhos, heróis e profetas de papelão,
brincam com a Terra e com a gente crescente
da ordem divina - Crescei e multiplicai-vos!

E os mágicos pa(i)ram no largo do crescimento
a discutir cotações, futuros, simulacros e arrufos,
sob influência sistémica do cheiro da especulação

É mágico!, é trágico!,  
tanto esforço e aparato para nada
Tanta fartura de fome, tanto brilho de lama!

Assim é, mas hoje,deixa-me virar a página
saltar para outro tempo sem cretinos, 
fraldas descartáveis e política de plástico 

É sexta feira e se bem vestida ficas Sexta-Feira
Ficas mais linda, meu amor, de chinela no pé
De qualquer modo saio contigo, 
mais logo, Sexta-Feira, querida

28jun2019

hajota

quinta-feira, 16 de maio de 2019

Humano Ofício VI

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.

Álvaro de Campos, 
estrofe de abertura de Tabacaria

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

oooooOOOooooo


(imagem minha)

oooooOOOooooo

Imprevisto chega o dia
Vê-se vazio
na pedra do cais sentado
Em terra corre o quente
sangue que doou
O vermelhão nunca lhe faltou
mas sabe o seu destino

Sente o peito cheio de sal
Esquadrinha no horizonte o barco
que o há-de levar
toca-o a melancolia de fim de dia
e a saudade do futuro:
da lâmina de gelo
que cairá da sombra em si

No zénite a luz reduz
a sombra
que cresce até ao fim:
inteira engole a luz
Si compleatur officium
(cumprido é o ofício)


hajota

quinta-feira, 25 de abril de 2019

pichem chamem cravem

Mark Rothko, orange, red, yellow





lavrem lavrem
agora que chove outra vez
semeiem poesia semeiem 
esta noite até à alvorada

anunciem anunciem
na rua e no campo o amor
pichem pichem até mais não
a cor vermelha da paixão

chamem chamem 
a cor todos com ardor
cantem cantem a canção
das quadras da Liberdade

pichem chamem cravem
o chão todo deste país
cravem cravem cravem
o  vermelho sonho - cravos 

levantem levantem
os braços todos e mais alguns
(outra vez) ninguém ninguém
esqueça a flor que fez Abril

Sempre quero ver se o Chico nota 
algum cheirinho a alecrim...


hajota

domingo, 21 de abril de 2019

O Humano Ofício V


Em tempo de Páscoa, desejo aos amigos um caminho ousado, renovado a cada passo.
E que as margens nos contenham, não se entorne .a força de viver.

                                                                                                  hajota


oooooOOOooooo


"Dai-me a casa vazia e simples onde a luz é preciosa. Dai-me a beleza intensa e nua do que é frugal. Quero comer devagar e gravemente como aquele que sabe o contorno carnudo e o peso grave das coisas."


Sophia de Mello Breyner Andresen, Dai-me (excerto inicial)


                                                                  oooooOOOooooo


van gogh



oooooOOOooooo



O Sol transpinta-se d’alva ao poente
o fogo vermelho sobe desce e esmaece
progressivamente arrefece
Os azuis acinzentam-se cansados
e o violino desce ao cais dolente:
homem
Tantos gestos repetidos pintados
desiguais na  sedutora melodia
dias meses anos sem parar:
o desafio dos mastros erguidos
telas enfunadas num sopro de partidas
e chegadas em torno do fio:
o ir e o voltar ao lar

hajota

quarta-feira, 17 de abril de 2019

O Humano Ofício IV



Ali vimos a veemência do visível
O aparecer total exposto inteiro
E aquilo que nem sequer ousáramos sonhar
Era o verdadeiro

Sophia de Mello Breyner Andressen,
Navegações



oooooOOOooooo




mark rothko





oooooOOOooooo



O movimento impresso de luz percorre
a circular jornada na ecliptica vital
A luz cega de espanto
o simples e o extravagante
e a gradação da sombra seca o tempo
Por isso o ouvido se fixa
no gesto largo do pincel batuta
para que harmonia se faça
a cada figuração
o homem

hajota

terça-feira, 9 de abril de 2019

O Humano Ofício III


Beijo

Num instante
olhos nos olhos
um céu incendiado

Fechados

E por sorte
o fenómeno ocorre
espontâneo tão bem

também
quando chove:
o mesmo céu


hajota


oooooOOOooooo



Foto: Sebastião_salgado


oooooOOOooooo



A figura define-se na devassa
fibra a fibra
do incorpóreo impalpável
a princípio
pincelada a pincelada
de emoções sentimentos diluídos
na pré derme dos fluídos
até à consistência espessa
da força da forma do volume:
corpos coloridos de vida


hajota

terça-feira, 2 de abril de 2019

Humano Ofício II



Mas a manhã não joga ao pião,
nem a brincar se abalança:
o dia corre, a tarde já não tem pressa.

Nuno Júdice, O Mito de Europa, 
(do poema Manhã de Inverno com Sol)



*********


foto minha


 *********


O humano ofício é chegar à perfeição
à arte!
do afago das cerdas 
que varre o caos da configuração
rectangular
Não se espantem as páginas
no vazio estéril do olhar 
os olhos fogem incontidos para o finito
da noite e do dia da rotação circular
são planos em translação


hajota