quarta-feira, 27 de maio de 2020

Por ser muito não é pouco


“Quando partias, qual secreta tentação juvenil, escolhias, com esmero, uma pedra achatada e lisa. Depois, num movimento de anca, atiravas com firmeza, na horizontal, deleitando-te enquanto a vias saltitar à superfície da água.”

 Do Blogue Interioridades
Último § de Esboço de Tela do Tempo Parado
(façam-me o favor de ir ler)


foto minha






Intocável impecável o chão nosso
prenhe em avançada gestação,
muito prenhe, portanto isso
no verde que vela a violência da floração,
e lavado o ar leve abre favos de mel
nos pulmões todos até aos alvéolos,
e o babar do mar lânguido no areal,
e o azul do céu salpicado de sardas
brancas, sonhos visíveis à transparência,
e eu e tu, toda a gente, correndo e saltando,
bichos com os bichos nossos irmãos
Por ser muito não é pouco este hino
que entra fundo no imo
Basta-nos a Natureza e ser 
a soar harmonia com todas as coisas

hajota

35 comentários:

  1. Como é perfumada a primavera... em todos os sentidos e quadrantes... incluindo a poesia.
    .
    Saudações amigas
    Cuide-se

    ResponderEliminar
  2. Um reencontro com a Natureza e respirar profundamente... sentir que estamos livres...
    Lindo...
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  3. Foto e poemas muito belos!
    Já passei no Interioridades... respirei harmonia em acordes balsâmicos.

    Bom fim-de-semana!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Um hino à Natureza, o seu poema, meu Amigo Agostinho. São tantas as coisas maravilhosas que espantam o nosso olhar logo pela manhã que apetece entoar um "magnificat" de agradecimento a todos os deuses por tudo o que alegra os nossos dias. Senti-me cúmplice do seu poema e gostei muito da fotografia.
    Muita saúde para si.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. Boa tarde tudo bem?Desculpe o encomodar. Sou brasileiro e procuro novos seguidores para o meu blog. Novos amigos também são bem vindos, não importa a distância. No mais desejo muita saúde para você e sua família.

    https://viagenspelobrasilerio.blogspot.com/?m=1

    ResponderEliminar
  6. saber decifrar a "linguagem" da Natureza
    torna-se cada vez mais urgente...

    gostei muito do teu poema,
    que bem se inscreve nesse desígnio!

    forte abraço

    ResponderEliminar
  7. É mesmo, Agostinho! Na Natureza, tudo se encontra em harmonia... só nas sociedades... temos o mundo permanentemente em convulsão e alvoroço... com um bicho... que jamais se adaptará ao meio e mundo no qual nasceu... o Homo que não lava mais branco... mas que torna tudo mais sinistro, por onde passa... o Sapiens... um pensante... sempre tão inconsequente e incongruente... em muitas das suas atitudes... sendo que será o facto de pensar que pensa... que o conduzirá ao seu fim!...
    Na belíssima imagem... temos tantas plantas lado a lado, coabitando com as suas diferenças... onde cada milímetro de terra, nos premeia com entendimento e vida... nas nossas cidades... cada milímetro é ferozmente disputado... demarcando-se acentuadas clivagens... por qualquer coisa... raça, estatuto social, económico... eu sei lá!... Opções de toda a espécie e características próprias ou atribuídas, nos dividem e afastam... não se cultiva a tolerância nem a aceitação... mas regam-se a supremacia, e a ganância... estimulam-se os jogos de poder... multiplicam-e os absurdos... e aqui estamos... fechados em casa!... Defendo-nos como podemos, dum diacho dum vírus, criado debaixo da asa de um qualquer morcego... que estava sossegadito no seu canto... até um pensante o ir infernizar... e arrastar para este nosso tresloucado mundo... onde... ou os comemos com rodelinhas de tomate e batatinhas, assadinhos... ou fazemos experiências neles que nem doidos, num laboratório, intentando algum jogo de dominação, numa qualquer táctica de guerra... cruzando-lhes as células... com... sabe-se lá o quê!... Nanotecnologia... já consta!... E é nisto, que sempre culmina a capacidade de pensar no Sapiens... o aperfeiçoamento para dominar... e matar... ou matar-se entre si... mas em qualquer caso destruir... a si mesmo... o seu mundo... ou o mundo de outros...
    O poema... carrega uma leveza de espírito... e uma paz... que nos mostra e coloca perante um mundo... natural... perfeito assim mesmo... mas insuficiente, para tantos seres permanentemente insatisfeitos... porque será que esse tanto... não nos chega?...
    Gostei imenso do post, Agostinho! Um verdadeiro exercício de desintoxicação espiritual, destes desgastantes tempos, pelos quais vamos passando... de fininho... por entre as correntes de ar... para não acordar nem virose, nem micose... e que para mal dos nossos pecados... aqui na região de Lisboa... esta bichice que nos arranjaram, para nos entretermos... ainda vai continuando bem acesa...
    O espaço do AC... um lugar sempre de paragem obrigatória... de onde se sai totalmente Zen... em paz com a vida e nós mesmos... e onde arranjamos um novo fôlego para se mergulhar, até no intoxicante presente, no momento...
    Beijinhos, Agostinho! Votos de um excelente fim de semana... com bom tempo, saúde... paciência e conformação... de que não há peste, que nos mereça! Cuidemo-nos!... Que ainda há mais futuro pela frente!... É preciso é ir ficando por cá... ao menos para ir vendo, no que isto dá!... :-))
    Ana

    ResponderEliminar
  8. Hajota

    inspirado no AC (que muito admiro) fizeste aqui um hino de louvor à natureza que me enterneceu.
    por vezes não sabemos dar valor ao que nos rodeia e que tanta beleza tem.
    gostei muito deste poema meu amigo!
    bom fim de semana.
    bom domingo.
    beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
  9. Canto sentido da terra e dos bichos como o princípio de todas as coisas!
    .

    Grata pelos seus comentários no meu blogue, Agostinho

    um abraço

    ResponderEliminar
  10. Aí está um poema sem melancolia. Viva a Primavera!
    Apetece agarrar estes dias, para que o verde permaneça...

    ResponderEliminar
  11. É bom podermos entrar na Natureza e assim nos afastarmos deste mundo insano ...

    Saudaçóes cordiais

    ResponderEliminar
  12. Lia, e quanto mais lia, mais me sentia a revigorar. Caprichos das palavras sentidas, caro Agostinho, e do mérito de quem as escreve.
    Grato pela menção ao Interioridades.

    Grande abraço

    ResponderEliminar
  13. O equilíbrio com que a natureza se regenera, na sua permanente interação, é um exemplo vivo para todos os seres humanos.
    Saudações poéticas.
    Juvenal Nunes

    ResponderEliminar
  14. Eis com nos confronta a Natureza . Somos nós , é ela com todos os habitáculos dos bosques , com todas as galerias do oceano , com todos os caprichos dos ventos.
    Somos empurrados para o viço dos montes e fetos e abetos e até lírios brancos.
    Porque ela é nós somos UM.
    Mas , tão lindo este hino , Agostinho !
    Um beijo pada si .🌷🌿🌲🍃🌴

    ResponderEliminar
  15. La naturaleza es belleza, es la magia de la vida, preciosa imagen y versos.

    Un beso.

    ResponderEliminar
  16. Que lindo!

    Adorei visitar este seu cantinho,adoro poesia.Já estou a seguir. Convido a seguir também o meu blog, volta e meia também partilho poesia https://primeirolimao.blogspot.com
    Boa semana.
    Vanessa Casais

    ResponderEliminar
  17. Que lindo!

    Adorei este seu cantinho. Adoro poesia. Já estou a seguir. Convido-o também a seguir o meu blog https://primeirolimao.blogspot.com/ volta e meia também partilho poesia.
    Boa semana,
    Vanessa Casais

    ResponderEliminar
  18. Impecável o chão nosso e o poema nele germinado. Este culto à natureza, por vezes tão maltratada ou esquecida. Um belo poema, de quem sabe brincar com as palavras e nos entrega polidas.
    Um abraço, meu caro amigo!

    ResponderEliminar
  19. Oi Agostinho
    Resta-nos a natureza que intocável não mais é,no entanto se regenera e persiste emprestando-nos o verde m vários tons e beleza.E, há também esse 'céu salpicado de sardas brancas'...além do que temos uns aos outros nesse mundo invisível onde a imaginação certamente é bem mais feliz que a realidade rs
    Ah Agostinho, de verdade a mim resta a esperança com uma dose grandinha de desânimo.:(
    Gosto este vasto mundo seu _a foto com 'copos de leite' deixa os olhos esverdeados de singeleza. E,Obrigada por honrar-me com seus comentários.
    com abraços e admiração

    ResponderEliminar
  20. Li aqui e vou daqui a pouco lá onde sugere.

    ResponderEliminar
  21. Olá ! boa tarde. Meu nome é Maria, estou começando um Blog agora, adorei o seu Blog, e estou te seguindo, venha me visitar !!!
    https://epossivelsonhar46.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  22. OLÁ ! ESTOU TE SEGUINDO. AMEI O SEU BLOG... CRIEI O MEU BLOG A POUCO TEMPO. VENHA ME VISITAR! BEIJINHOS...
    https://magiaepurpurina.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  23. Agostinho:
    Um caloroso abraço, em primeira mão.
    Após meses impedido de comentar
    (erro na minha conta),
    finalmente…
    mas atento, sempre, ao seu blog.

    Saúde, muita saúde, amigo.

    ResponderEliminar
  24. Vindo até aqui respirar, estes ares puros... para descongestionar a alma... atormentada, de novo... pelo impasse da virose... que não nos larga... ao fim de três meses de tantas medidas e precauções... parece que aqui na região de Lisboa, cada vez estamos mais mergulhados, nela... :-(
    O desconfinamento... foi a porta aberta para deixar entrar de novo, este tormento...
    Por estes dias, às voltas, tratando de um problema circulatório de uma perna de mãe... tudo a correr bem... mas uma ida ao hospital, não pôde ser evitada... ainda falta uma semana, para que tosses e espirros, não me deixem a fazer contas de cabeça... pois, por enquanto, não é garantido que não se meta um pé na rua, e não se chegue a casa... com um brinde indesejável...
    Mas pronto... temos de nos conformar... com o que ninguém quer admitir estar fora de controlo, aqui na região... deva estar controlado...
    Os lares andam todos a ser testados... depois de se terem descoberto uns casos... que até foram notícia... não mais se ouviu coisa alguma... agora parece que serão os quartéis de bombeiros que serão alvo de testes intensivos... nas próximas semanas...
    Um coisa é certa, com esta virose... quem a procura... acha-a!...
    Enquanto isso... mascaremo-nos... que este bailarico, ainda promete continuar mais um tempo... com cada país, boicotando o turismo aos demais, e açambarcando vacinas e remédios... à boa maneira do Faroeste...
    Beijinhos! Bom fim de semana, e votos de um Julho, o melhor possível, Agostinho!... Com saúde, que é o mais importante, nos tempos que correm!...
    Ana

    ResponderEliminar
  25. "...
    Basta-nos a Natureza..."

    ... e poesia para a cantar.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  26. Desejo um bom fim-de-semana, com muita saúde e paz.

    Beijinhos

    :)

    ResponderEliminar
  27. Um excelente hino!
    Tão bom ter por aqui passado...

    Deixo um abraço.
    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  28. Voltei para conferir e havia nova publicação e para reler com alegria e rever as imagens.

    ResponderEliminar
  29. Para fecharmos os olhos e abri-los por dentro...

    Beijo, Agostinho :)

    ResponderEliminar
  30. Agostinho, belo e reflexivo teu poema, fiquei a olhar a foto, lindamente verdejante e tranquila e vejo como a natureza vive em harmonia e como nós, humanos, que fazemos parte desse todo, vivemos em total divergência e infelicidade. Mas assim continuamos nós após as grandes guerras, após pandemias etc.
    Se mudarmos um pouquinho é porque o mundo entrou em festa!
    (pensei que tivesse deixado meu comentário na primeira leitura que fiz – engano!).
    Uma boa semana. Obrigada pela sua gentil visita, gostei muito.
    Beijo, até mais!

    ResponderEliminar
  31. Olá Agostinho querido


    Lindo poema e a foto combinou perfeitamente.

    Beijos
    Ani

    ResponderEliminar