quinta-feira, 19 de abril de 2018

Espectro de Modigliani



"Chorava, limpei-lhe as lágrimas. Perguntei-lhe 
absurdamente  o  que  tinha, como  que  para 
idiotamente consolá-la."
     
 Jorge de Sena, Sinais de Fogo, Ed. Asa


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~



James Whistler_the white note



                                        ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~



                                               Para Graça Pires,
poeta, autora de "Fui quase todas as mulhares de Modigliani"


Por onde anda em descaminho Dedie?
Há um ar de nostalgia a definhar a flor
que lhe rouba o rubor de mulher
desmaiou-lhe a cor - as faces da espera
Procurei-a na celulose da casa  
“Fui quase todas ( …)”

A perturbação plasmada na tela
cresce no olhar escrito nu
no número trinta e três
A melancolia que se atravessa
liquefez-se num “mar sem limite”…

Tão larga tão funda tão vaga
a comoção da pedra que me afunda
da pedra me amarra




           hajota

21 comentários:

  1. À procura do caminho... Talvez se encontre nesse mar sem limite... Ou se desista e se afunde com a pedra... Ou se vença a melancolia e se recomece...
    Brilhante homenagem à Graça Pires....
    Obrigada pela partilha de tão belo poema...
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  2. Uma homenagem bem merecida,
    um poema belo que a Poetisa vai apreciar muitíssimo.

    Eis, aí, um livro de poesia que eu gostaria de adquirir, Agostinho.
    Um dia destes faço uma visita ao "ortografia de um olhar"
    para tentar saber mais sobre o livro.

    Parabéns a ambos e obrigada:

    "Tão larga tão funda tão vaga
    a comoção da pedra que me afunda
    da pedra me amarra"

    Beijinhos.


    ResponderEliminar
  3. Um regresso em grande, Agostinho.
    Belo momento de poesia.
    Aquele abraço, bfds

    ResponderEliminar
  4. Li sensibilizada, Agostinho. Sensibilizada pela dedicatória. Sensibilizada pelo poema lindíssimo.
    Dedie é uma entre as tantas mulheres que deixaram que falasse por elas. Sei que não é fácil conseguir o equilíbrio entre o que se quer dizer e o que se diz. Mas você, meu Amigo, entendeu-a bem, na plenitude perturbante e singular que lhe (me) pertence. Bem-haja!
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. "...da pedra me amarra" ao chão!!! Um beijinho Agostinho.

    ResponderEliminar
  6. Belíssimo poeta, divina imagem. Lindo demais.
    .
    * Criança brincando ... em interno lamento. *
    .
    Cumprimentos poéticos.

    ResponderEliminar
  7. Parabéns aos dois poetas! O descaminho que derriba a flor foi restabelecido no vaticínio incongruente da pedra - pedra angular que não afunda, sustenta tão enorme edificação! Parabéns! Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
  8. Um trabalho poético belíssimo muito bem dedicado à Graça Pires.
    Gostei muito e cito:
    "
    Tão larga tão funda tão vaga
    a comoção da pedra que me afunda
    da pedra me amarra"

    tão belo ...

    bom domingo!

    beijinhos

    :)

    ResponderEliminar
  9. poema com "marca de água" . muito belo.

    abraço, caro amigo Agostinho

    ResponderEliminar
  10. Meu caro Agostinhamigo II

    Mais um extraordinário poema. E eu que não sou poeta perante ele não resisto a transcrever a última estrofe dele:

    Tão larga tão funda tão vaga
    a comoção da pedra que me afunda
    da pedra me amarra


    Um abração deste teu amigo e admirador
    Henrique, o Leãozão
    _______


    A Nossa Travessa publica um novo artigo que aborda o tema dos monumentos megalíticos em Portugal e em especial o Cromeleque dos Almendres que é o maior da Península Ibérica e fica situado a cerca de 11 quilómetros de Évora

    ResponderEliminar
  11. Que homenagem tão linda à Graça Pires, que tão bem escreve.
    Nem sei qual de vós se sobreporá, de tão bem que usam as palavras, a metáfora, a imagem...

    Muito belo!

    ResponderEliminar
  12. Faz tempo que não aporto aqui. E colho um belo poema. E que bela dedicatória para Graça Pires. Merecida. Aliás, a própria Graça fez uma leitura medida, trazendo ao seu poema um sabor de fruto raro.
    Um forte abraço,

    ResponderEliminar
  13. Poema muito belo e intenso, Agostinho! Como sempre! E compreendo bem a melancolia que dele escorre...
    Não conheço ainda o poema que te serve de inspiração. Pelo que (entre)vejo, será igualmente intenso e belo, e irei em busca dele.
    Forte abraço!

    ResponderEliminar
  14. Que bonita Homenagem num poema lindo, cheio de sentimento e inspiração.
    Beijo grande
    Fanny Costa

    ResponderEliminar
  15. Um grande poema para uma grande poeta!
    Que gesto tão enternecedor, Caríssimo Agostinho!
    E como a Graça merece!
    Um beijo!

    ResponderEliminar
  16. Um enternecido abraço para si e para a Graça.

    ResponderEliminar
  17. Iria jurar que teria comentado este post... provavelmente em vez de publicar... terei apagado o quadro do comentário... sou uma cabecinha de vento... :-))
    Magnifica e merecidíssima homenagem, à Graça, que a todos brinda, com o seu imenso talento, e tocante profundidade...
    Maravilhoso o poema... com um final... que nos deixou presos às suas inspiradas palavras, Agostinho!
    Mais um trabalho brilhante! Parabéns... também pelo talento de ambos!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar
  18. De uma intensidade melancólica!
    Tanto que a Graça merece!

    Beijinhos, Agostinho :)

    ResponderEliminar
  19. Me paso tu blog Anna de poemias,
    http://anna-historias.blogspot.com/2018/06/jesus.html?m=1 Me ha gustado tu blog mas amenudo lo visitare.
    Besos

    ResponderEliminar
  20. Merecida homenagem!!! abraços carinhosos meus.

    ResponderEliminar