terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

O que é a vida




        Entrementes
os sulcos do tempo
do verbo acabar
do paquiderme olhar


Foto de oscar ciucat


~~~~~~~~~~~~~




nós
em rotação circular
a medir o tempo de jornada
na alternância da luz e da noite
enquanto sístoles no espaço sideral
deuses por hábito sentados
na elíptica rota (in)finita
espreitando à janela
o que é senão 
queimar
energia
solar
?


         hajota


     

20 comentários:

  1. Entre a luz e a noite... às vezes, não fica nada...
    Interessante...
    Obrigada pela visita
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  2. Muito reflexivo, meu Amigo Agostinho… Imagino os deuses, distraídos de nós, espreitando à janela. E nós, entre o dia e a noite sabendo, como disse Ernesto Sabato, que a vida se faz no rascunho, sem possibilidade de a corrigir e passar a limpo…
    Um beijo, meu Amigo.

    ResponderEliminar
  3. Nada é perfeitamente inútil
    Abraço poeta

    ResponderEliminar
  4. Um pião que deixa a cabeça a rodopiar.
    Gostei muito, Agostinho.
    Como sempre.

    ResponderEliminar
  5. Não sabia que havia janelas com deuses a espreitar... eheheh...
    Gostei imenso das palavras, excelentes. E do arranjo gráfico, muito bem pensado.
    Caro Agostinho, continuação de boa semana.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  6. Somos meros piões... entre as sístoles do espaço, e as arritmias da vida... ao sabor das circunstâncias...
    Uma inspiração muitíssimo bem idealizada... e irrepreensivelmente bem apresentada...
    Excelente momento poético, Agostinho!
    Beijinho! Votos de continuação de uma excelente e inspirada semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  7. Queridos leitores,

    agradecendo a amabilidade das vossas visitas e comentários, convidamos-vos a ler o capítulo 9 do nosso conto escrito a várias mãos "Ecos de Mentes". Hoje pela mão da Margarida Piloto Garcia, interpretando o personagem Vicente.
    https://contospartilhados.blogspot.com/2019/03/ecos-de-mentes-capitulo-9.html

    Com votos de excelente fim-de-semana,
    saudações literárias!

    ResponderEliminar
  8. Caro Agostinho,

    um exemplo eloquente de poesia "visual" ou poesia "concreta" que E.M. de Mello e Castro, sobretudo, praticou (e teorizou) entre nós, em que a metáfora (literária) de tão "carregada" de sentido implode e a "matéria"do poema se organiza em expressão "visual", ganhando assim intensidade "concreta", quase palpável, dir-se-ia.

    no caso do teu exemplar poema, a a forma icónica e a rotação do pião tudo arrasta e arrasa, isto é, todas as palavras e artifícios literários em que o poema é dito, ficando a final, apenas a pairar a "paquidérmica" interrogação do Poeta e a interpelação inescapável ao leitor.

    em grande forma, caro amigo
    parabéns,
    abraço

    ResponderEliminar
  9. Gostei do olhar da foto de Ciucat, tão expressiva...e conclusiva.
    Por mais que se tente explicar o tempo, a vida... nada feito! Os filósofos que o façam através dos séculos! Que se esforcem. E se animem.
    Gostei muito da postagem, Agostinho, um bom fim de semana.
    bjos

    ResponderEliminar
  10. No minimalismo das expressões (poética e fotográfica) a grande interrogação:
    O que é o tempo? Para onde nos leva?
    Entretanto, cada vez mais mestre na arte de exprimir...

    ResponderEliminar
  11. "...
    no espaço sideral
    ..."


    onde tudo acontece.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  12. Agostinho
    Eu adorei a imagem e
    me fascina o formato/construção
    da poesia.
    Muito obrigada por
    compatilhar.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderEliminar
  13. Eis as perguntas que se calam.

    Os movimentos que não param...

    e as dúvidas que nos consomem segundo
    a segundo.

    ResponderEliminar
  14. Me ha encantado tu blog te paso el mio.
    Besos.
    Hola espero estes bien hace tiempo que no se de ti.
    Besos

    http://anna-historias.blogspot.com/2019/03/en-el-dia-internacional-de-la-mujer.html?m=1

    ResponderEliminar
  15. entre a luz e oolhar
    a jornada
    e o caminhar
    com ou sem Deuses

    sempre algo fica ....

    beijinhos

    :)

    ResponderEliminar
  16. Queridos amigos leitores,

    agradecendo sempre as vossas visitas e comentários, convidamos-vos a ler o capítulo 10 do nosso conto escrito a várias mãos "Ecos de Mentes". Hoje pela mão do Grégor Carlos Marcondes, interpretando Anabela.

    Com votos de excelente fim-de-semana,
    saudações literárias!

    ResponderEliminar
  17. Encantei com o teu blogue!
    Que lindo e tão inspirador :)
    Vou marca presença sempre

    Beijosssssss da Pâm♥
    Resenhas & Afins

    ResponderEliminar
  18. Aproveitando, que passei por aqui, a espreitar se teria deixado escapar alguma novidade, nesta fase em que também eu, ando um pouco mais ausente... deixo um beijinho, e votos de um bom final de domingo, e uma excelente semana!
    Ana

    ResponderEliminar