segunda-feira, 13 de setembro de 2021

Jerónimos, 2021-09-12



Aconteceu
Vimos a emoção partir, já não chorava
Guardamo-la nós agora até à eternidade
E que ninguém negue esse sortilégio!

Ninguém o pode recusar nem negar, 
a não ser a boca dos desprovidos de coração, 
bombas mecânicas, apenas, de lançar 
na corrente dos dias a sombra, 
a ignomínia e a raiva da maldição 
da sua inexistência.
(Mas esses não contam nos grandes momentos)

Aconteceu
Ninguém pode negar
a formidável cintilação dos ésses coincidentes
na cúpula magnífica dos Jerónimos,
a conjugação dos dois astros distintos:: 
dois Jorge, Sena e Sampaio  

hajota




 


Uma pequenina luz - poema de Jorge de Sena

Uma pequenina luz bruxuleante
Não na distância brilhando no extremo da estrada
Aqui no meio de nós e a multidão em volta
Une toute petite lumière
Just a little light
Una picolla, em todas as línguas do mundo
Uma pequena luz bruxuleante
Brilhando incerta mas brilhando aqui no meio de nós
Entre o bafo quente da multidão
A ventania dos cerros e a brisa dos mares
E o sopro azedo dos que a não vêem
Só a adivinham e raivosamente assopram
Uma pequena luz, que vacila exacta
Que bruxuleia firme, que não ilumina, apenas brilha
Chamaram-lhe voz ouviram-na, e é muda
Muda como a exactidão, como a firmeza, como a justiça
Brilhando indeflectível
Silenciosa não crepita
Não consome não custa dinheiro
Não é ela que custa dinheiro
Não aquece também os que de frio se juntam
Não ilumina também os rostos que se curvam
Apenas brilha, bruxuleia ondeia
Indefectível, próxima dourada
Tudo é incerto, ou falso, ou violento: Brilha
Tudo é terror, vaidade, orgulho, teimosia: Brilha
Tudo é pensamento, realidade, sensação, saber: Brilha
Desde sempre, ou desde nunca, para sempre ou não: Brilha
Uma pequenina luz bruxuleante e muda
Como a exactidão como a firmeza, como a justiça
Apenas como elas
Mas brilha
Não na distância. Aqui
No meio de nós
Brilha

(dito, na circunstância das cerimónias fúnebres de Jorge Sampaio, 
por Maria do Céu Guerra)

=======

18 comentários:

  1. "Vimos a emoção partir" Ficou a nossa emoção. "Já não chorava". Mas choramos nós. Choramos a partida de um Homem de causas, de valores, um grande Humanista, um Senhor discreto e delicado, um Político íntegro, decente, solidário, fraterno. "A luz bruxuleante que brilha Não na distância. Aqui No meio de nós Brilha", como diz o maravilhoso poema de Jorge de Sena tão bem escolhido para ser dito pela Maria do Céu Guerra. Choramos, sim. Até sempre, meu Presidente.
    Desejo que esteja bem, meu Amigo Agostinho. Gostei imenso do seu poema.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Partiu o homem emotivo e bom, ficamos nós a emocionar-nos com estas homenagens de grande respeito pelo Homem bom que partiu.
    Adorei as suas palavras, Poeta.
    Receba um abraço solidário e amigo.

    Beijinhos, também.
    Fique bem, fique com saúde.

    ResponderEliminar
  3. Um homem discreto, um político coerente... Continuará a brilhar nas memórias...
    Obrigada pela visita
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  4. Magnifica e sentida homenagem, por aqui... que alargo a dois Jorges...
    E Sampaio... um homem integro... sendo ainda mais admirável... o facto de ser um político integro! Cada vez vão restando menos, deste lote tão precioso...
    Sabia dos seus problemas de saúde, mas o seu desaparecimento tão súbito, colheu-me de surpresa...
    Estimo que se encontre bem, Agostinho! Deixo um beijinho, e votos de continuação de uma boa semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  5. partiu um homem de coração, cujo respirar sempre foi de dentro para fora e a forma como apreciava o mundo sempre foi pungida pela justiça dos afetos.

    fica provado que nem tudo é joio.

    e, ainda existem pessoas singulares, até mesmo, as que por agora pernoitam no nosso coração e que por isso são eternamente ternas e eternas.

    um abraço sentido e um bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  6. Excelente homenagem a um Homem de princípios e valores cumpridos.

    Que tenha Luz e Paz!

    Para si, um abraço com voto de bom fim de semana

    ResponderEliminar
  7. Também acompanhei as cerimónias de um acontecimento triste que se fez bonito.
    Que não se calem nunca as vozes que nos chegam através dos verdadeiros e honestos e dos bons de coração.
    Foi sim, uma homenagem de "formidável cintilação".
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Que bela e merecida homenagem, para um homem de valores e coragem.
    Para mim foi um dos nossos melhores Presidentes pós 25 de Abril.
    Uma postagem bonita e um poema à altura do homenageado.
    Boa semana com muita saúde.
    Beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
  9. o que +rova que nem tudo está perdido...
    de vez em quando, ainda cintilam a luz e o pensamento ctítico

    frte abraço

    ResponderEliminar
  10. bonita a homenagem, Agostinho! gostei de ler, um abraço.

    ResponderEliminar
  11. Sempre pensei que partidas só é bom quando a volta fica agendada.
    Diferente do Adeus que significa não há volta.
    Dois poemas belíssimos, Agostinho. A vida segue, e vamos perdendo sempre os melhores.
    E, passando para deixar o meu abraço e o desejo que tudo esteja bem contigo e com quem quer bem.
    Beijo

    ResponderEliminar
  12. Não se ouviu, no seu passamento, uma voz discordante acerca da sua pessoa, o que, por si só, é significativo da impressão que deixou.
    Abraço amigo.
    Juvenal Nunes

    ResponderEliminar
  13. Fantástica homenagem para tão enormes estrelas!
    E que bem merecida!
    Beijinho, Agostinho!

    ResponderEliminar
  14. "Para se ser bom tem que se morrer"...
    Não e o caso, pois que já em vida lhe foi reconhecido mérito e valor.

    Belíssimo, o poema de Jorge de Sena, e perfeitamente adequado à circunstância.

    Continuação de boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
  15. Tinha, e continuo a ter, uma grande admiração por Jorge Sampaio, um dos poucos homens que me faz continuara a acreditar nos políticos.

    Grande abraço, Agostinho

    ResponderEliminar
  16. Por onde anda o "nosso" Agostinho?

    Um abraço!

    ResponderEliminar